Seguidores

terça-feira, 25 de outubro de 2005

Rato? Ratazana!




Pois é, enganem-se aqueles que julgavam passadas as peripécias em busca do rato de portátil (v. artigos que tenham "rato" no nome)... Como a coisa se passou comigo, era mais que óbvio que este mundo cruel tinha de deitar nos meu ombros mais um episódio para vos relatar.
Então aqui vai: anteontem uma amiga - Cláudia - veio-me visitar com o propósito de me acolher temporariamente um gato que encontrei na rua e que precisa de uma casinha (sim, estou a pedinchar casa para ele, tomem nota!) Como já vem sendo hábito, a coitada vem da Maia de suburbano e, cheia de boa vontade, compra logo o bilhete de ida e volta; este último serve-lhe de recordação, porque já vem sendo hábito eu levá-la de carro de novo à Maia.
Como a minha mãe está cá a passar uns dias comigo, resolvi que era boa ideia levá-la, inocentemente, a dar uma voltinha às terras portuenses, para ela desanuviar, coitada. Fiz isto de forma totalmente altruísta e preocupada com o bem-estar dela. Juro.
Ok, a minha ideia era metê-la uma vez mais na minha saga de troca de rato defeituoso, pronto.
Lá nos metemos, ao fim do almoço, a caminho do Porto. Eu tinha revirado minutos antes a minha (apenas um pouquinho de nada, mal se nota) desarrumada secretária à procura do talão certo da garantia do rato, para ter que me render à evidência de que o talão há muito que se havia finado e que, tendo em conta tanta tinta já corrida em volta deste embruxado pedaço de tecnologia, mais valia comprar um novo. Era o que eu ia fazer... ou pensava que ia!
Claro que nos devemos debruçar, como se de uma varanda se tratasse, sobre a minha inteligente ideia de me meter no trânsito do Porto em dia de futebol. E mais nos deveríamos debruçar sobre a minha estupenda ideia de me imiscuir no espaço de um centro comercial a um Domingo, mas aí acho que caíamos todos uns quantos andares desta imaginária varanda abaixo, por isso fiquemo-nos apenas pela ideia.
Após um trânsito infernal, lá chegámos vivas ao Norte Shopping. Despedi-me da Cláudia e eu e a minha mãe fomos prestar reverência quase-religiosa ao monumento do consumismo.
E agora, meninos e meninas, perguntam vocês: em que é que este episódio se assemelha aos outros que já relatei do rato? Passo a explicar, com o relato do que sucedeu a seguir.
Claro que o Norte Shopping tem uma FNAC. Claro que eu não pude deixar de lá ir espreitar, não fossem os deuses castigar-me. O que sucede? 27€ num cd... Não esqueçamos o combustível e os 2,70€ em portagens. Começámos a somar, meninos e meninas.
Lá andei pelas lojas de informática à procura de um rato para substituir o meu finado. Mas não há amor como o primeiro, e não encontrei um que me enchesse os olhos: um era grande demais, outro pequeno, outro vermelho, outro não tinha a coisinha gira que encolhe (um fio, crianças, um fio!, nada de pensamentos pecaminosos), outro era não-sei-quê... Enfim.
Voltei de mãos a abanar, mas contente por ter andado a gastar a sola das minhas preciosas botas naquele espaço nada povoado e nada confuso.
Gastámos 10€ para jantar, depois de a minha mãe gastar 40€ numa prenda para uma amiga (amigas como a minha mãe queria eu!). Passado um bocado, decidimos que a nossa estada já se alongava há algum tempo e fomos embora. Aqui é que a coisa começa a entortar ainda mais.
Para entrar no estacionamento superior, tive que me meter numa subida em caracol digna de um filme de Hitchcock, íngreme e estreita. Para descer, a mesma coisa. Era eu a suar e a vociferar contra o arquitecto que projectara aquela maravilha e a minha mãe a bater palmas porque aquilo era "giro". Imenso, sei lá.
Como queria poupar dinheiro em portagens, quis ir pela IC1. Lá me meti a caminho, formava-se um nevoeiro espesso (Alfred, seu desgraçado, isto não é um dos teus filmes!)
A minha primeira alegria de regresso foi logo verificar que havia obras e que a estrada estava ligeiramente diferente. A minha segunda foi verificar que essas obras, em vez de beneficiar o Zé Povinho, vão chulá-lo: é para cobrar a passagem pelo IC... Sócrates, vai coser meias para casa!
A minha terceira alegria foi verificar que, por causa do nevoeiro e das obras, me meti na estrada errada e fui parar a um desvio que não tinha nadinha a ver com Braga.
-E agora?, - perguntei à minha mãe.
-Agora? Eu é que sei?
Obrigada, mãe.
Ok, vamos dar a volta ali na rotunda e voltamos para a estrada de onde viemos. Claro como água.
Espesso como nevoeiro! Fui parar ao IC, mas na direcção contrária, em direcção ao Porto! Raios. A minha mãe só se ria. Se lhe apertasse o pescoço, naquele nevoeiro, alguém notaria?...
Bem, eu não queria ir para o Porto. Ok, um desvio para Viana. 'Bora por aí.
Chego à estrada e começo a ver várias saídas possíveis, mas receava estar a desviar-me do caminho do Bem. Um dos caminhos dizia Ofir, podia ser esse, mas eu preferi (estúpida!) ir por um lado que me deixasse na direcção certa do IC, e dei meia dúzia de voltas e fiz uma inversão de marcha e lá estava eu na direcção certa... de novo na mesmíssima estrada que dizia Viana do Castelo, de onde tinha saído havia minutos. Grrrr.
Ok, para Viana.
Chegámos quase a Viana, lá apareceu a rotunda que eu conheço e lá nos metemos para Braga, fazendo os quilómetros que faríamos se aquele ponto fosse o Norte Shopping... Fantástico, nem cabia em mim de contente. É nestas alturas que lamento não ter entrado nas aulas de sapateado, senão era ali mesmo que demonstrava a minha alegria.
Feitas as contas que já se tornam costumeiras nestas coisas da busca do rato:
- combustível: 10€
- portagem: 2,70€
- quilómetros: 150
- comida: 10€
- prenda: 40€
- tempo: 1 hora (pelo menos) de estrada a mais do que devia
E... rato? NÃO! Não comprei rato nenhum...
Sabem que mais? Qual rato, qual quê! Isto já é mas é uma grande ratazana!

4 comentários:

Kya disse...

Diz lá a verdade: tu não queres trocar o rato, certo? Andas é a aproveitar para fazer umas comprinhas com essa desculpa!!! Não é preciso ser-se psicóloga licenciada para perceber isso, minha :p LOL Ganda maluca!

Tã disse...

ahah ._. 150 kms porto<->braga = ._____________________. e nada de rato! fantástico! só mesmo tu :D bem, vou fazer uns cachorros, q tenho aulas às 14 :P *

Isis disse...

ehehehe
Eu já estou acostumada com isso pq eu e o meu amore sempre nos perdemos pelas estradas "muito" bem sinalizadas de Portugal... hahahaha
Beijocas!!
Ísis

caxineira disse...

ora bem...isso vindo da pessoa que disse não sabia onde ficava Gaia, mesmo tendo ido ao Hard Club e a morar no Nuorte há pelo menos 7 anos...ajuda: estudar um mapa de estradas antes de voltar a fazer o mesmo...assim, mesmo que haja obras pelo menos sabes nomes de terrinhas que fiquem perto do caminho quye queres seguir...e o gatinho?